Mesa Diretora acompanha apresentação de ações de Vigilância em Saúde promovidas pela SES-MG

Minas tem queda nos número de casos e óbitos por covid-19 devido à campanha de vacinação; A SES-MG reforça a importância dos municípios promoverem repescagens e a busca ativa nas faixas etárias com baixa cobertura vacinal na segunda dose; CIB-SUS deve aprovar a participação do Controle Social nos Comitês Estadual Regionais de Enfrentamento de Arboviroses

A Mesa Diretora do Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais (CES-MG) recebeu, virtualmente, no dia 16/8, representantes da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) para uma apresentação de resolução da Vigilância em Saúde para a deliberação da Comissão Intergestora Bipartite (CIB-SUS), que envolveu as referências técnicas da Subsecretaria de Vigilância Epidemiológica, como a Coordenação de Agravos não Transmissíveis, Coordenação de IST/AIDS e Hepatites Virais, Assessoria Estratégica, Sala de Situação em Saúde, Coordenação de Saúde do Trabalhador.

Repescagem e busca ativa

Os primeiros dados apresentados à Mesa Diretora foram do perfil geográfico da covid-19 no estado, como números de casos confirmados, em acompanhamento, pessoas recuperadas e total de óbitos, e que demonstram a queda na incidência por macrorregião nas últimas quatro semanas e na média móvel de casos e óbitos desde junho, especialmente nas faixas etárias mais vacinadas, diminuindo o número de internações em menos de 5%, percentual que já chegou a 80%. Foi descrito ainda o cenário assistencial e do Programa Minas Consciente no estado. De acordo com a subsecretária de Vigilância em Saúde, Janaína Passos, há uma estabilidade nos números devido à vacinação, com queda nas internações, e até que a cobertura vacinal chegue a 75% é preciso manter os cuidados não farmacológicos, como uso de máscara, álcool gel e distanciamento. A subsecretária faz um apelo para que a população tome a segunda dose da vacina. “É de fundamental importância que o esquema vacinal seja concluído para que se tenha a resposta imunológica. Os municípios devem promover repescagens e busca ativa para a segunda dose”, reforçou.

O fortalecimento das ações de Vigilância em Saúde foram apresentados no Programa VigiMinas, que visa o planejamento, a gestão e a execução de ações desenvolvidas pelo estado de forma articulada com os municípios, aumentando a eficiência por meio de indicadores de monitoramento. O projeto será conduzido em oficinas regionais que contarão com a participação do CES-MG – ponto que foi reforçado como fundamental pelo vice-presidente do Conselho, Ederson Alves – das regionais e dos municípios. Janaína Passos ressaltou que a vigilância é uma bússola e é preciso conhecer a população para direcionar a resolução de problemas.

A Mesa Diretora conheceu as ações de fortalecimento de vigilância de causas externas, que podem ser acessadas no Painel Epidemiológico sobre Violência e Painéis Temáticos Na reunião foi apontada a necessidade de inclusão dos campos de orientação sexual e identidade de gênero em todos os indicadores da vigilância.

Foram apresentadas as propostas ações para a Saúde da Trabalhadora e do Trabalhador e que foram redirecionadas pela Mesa Diretora para uma avaliação da Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora de Minas Gerais (CISTT-MG) para emissão de um parecer. Para o 2º secretário da Mesa Diretora, Júlio Cezar Pereira Souza, a Vigilância em Saúde é fundamental para o funcionamento pleno da saúde pública. “Quando a população e a classe política compreenderem a importância da vigilância, estaremos em outro patamar.” enfatizou. Janaína acrescentou que a Vigilância é a parte mais democrática do Sistema Único de Saúde (SUS). A coordenadora de IST/Aids e Hepatites, Mayara Marques, apresentou o Plano de Enfrentamento à Sífilis em Minas Gerais, cenário epidemiológico da doença, objetivos, e indicadores.

Controle Social nos Comitês de Arboviroses A diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis da SES-MG, Marcela Ferraz apresentou a Minuta CIB –SUS nº 3.241, de 21/10/2020, que aprova a instituição dos Comitês Estadual Regionais de Enfrentamento de Arboviroses que deve passar por alterações, a serem aprovadas na CIB em reunião no dia 18/08 e inclui a participação de 1 representante do CES-MG nos comitês. Ederson ressaltou que a participação do CES deve acontecer de forma efetiva com a participação dos Conselhos Municipais de Saúde.

73 total views, 1 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Accessibility