Saúde das Mulheres será tema de Conferências municipais, estaduais e nacional

Conselhos de saúde promovem este ano discussões que se destinam à apontar desafios para consolidação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres. Em 2016, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) convocou a segunda Conferência Nacional de Saúde das Mulheres, que será realizada em etapas municipais, estaduais (em julho de 2017) e nacional, a qual ocorrerá em agosto deste ano.

A realização da Conferência Estadual é uma oportunidade para discutir sobre a ampliação do tema “Saúde da Mulher: Desafios para Integralidade com Equidade”, o qual será debatido em todas as etapas.

O Sistema Único de Saúde (SUS), fruto da Constituição Cidadã de 1988, tem como dever ofertar atenção à saúde universal, equânime e integral à população. Desta forma, o SUS naturalmente deve incluir em suas pautas a saúde da mulher, cumprindo suas diretrizes. O SUS é equitativo quando considera cada ação e política, de acordo com a realidade das regiões, segmentos e gêneros. Considerando um estado com 853 municípios como Minas Gerais, a oportunidade de receber as diversas demandas da população, significa garantir o princípio de participação social no SUS.

A saúde das mulheres envolve aspectos amplos, que vão além da assistência ao ciclo reprodutivo ou às questões relacionadas ao câncer de mama e colo do útero. Por isso as políticas públicas devem ser planejadas para atender aos diversos aspectos que envolvem as necessidades de saúde das mulheres, respeitando a amplitude dos direitos sexuais e reprodutivos, a liberdade sem discriminação ou violência. Toda mulher tem direito à saúde integral, humanizada, qualificada e baseada no respeito à diversidade. Somos muitas, somos diferentes e merecemos ser cuidadas em nossa singularidade.

Considerando a abrangência do conceito de gênero feminino, faz-se necessário que as políticas e movimentos sociais se voltem para a inclusão de segmentos por vezes ignorados, como transexuais, lésbicas, negras e quilombolas, mulheres do campo, ribeirinhas, indígenas, ciganas, idosas, privadas de liberdade, mulheres com deficiências entre tantos outros que terão assento nas discussões promovidas este ano, tendo a oportunidade de expor suas visões e fazer proposições acerca do tema “Saúde das mulheres”.

As Políticas Sociais voltadas às Mulheres

Promover a saúde das mulheres é também levar esse movimento de construção do conceito de saúde integral para diferentes regiões do estado por meio de expansão e fortalecimento de redes de promoção à saúde e proteção à mulher.

Um tema inerente à saúde das mulheres com maior visibilidade atualmente é a violência contra as mulheres, seja ela física, psicológica, emocional, resultante de relacionamentos abusivos ou mesmo assédio sexual e moral. Apesar das leis e da exposição maciça de casos que mobilizam a sociedade os números destes casos assustam pois são muitas vítimas diárias. A violência é reconhecidamente uma questão de saúde pública, mas que exige enfrentamento multisetorial e envolvimento de setores como segurança pública, educação e desenvolvimento social. Outro ponto de pauta a ser debatido nesses encontros e que merece destaque são os efeitos da Reforma da Previdência Social, que visa igualar os limites etários entre homens e mulheres, sem considerar a jornada tripla feminina, o que pode refletir ainda mais (e também) no comprometimento da vida e saúde da mulher trabalhadora.

A Conferência Estadual de Saúde da Mulher de Minas Gerais (CESMu- MG)

É de fundamental relevância a realização das etapas municipais da Conferência de Saúde da Mulher. A Comissão Organizadora da 1ª CESMu-MG convoca todos os municípios e Conselhos Municipais de Saúde, para que promovam suas conferências dentro das premissas dos regimentos estadual e nacional (disponíveis no link do site do CES: http://bit.ly/2mOKr0H).

O evento estadual terá como proposta criar diretrizes para a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres. Essas diretrizes serão baseadas em medidas que reduzam as desigualdades sociais, de gênero e ético-raciais, dentre e outras, conforme previsto na Constituição e na própria Lei 8080/1990. Com o tema “Saúde das mulheres: desafios para a integralidade com equidade”, o CNS convocou para 2017 uma conferência específica para mulheres, 31 anos após a realização da primeira. Em 1986, as mulheres presentes na 8ª Conferência já reforçavam a equidade de gênero com o tema “as mulheres adoecem por serem mulheres”.

Além do tema central, a 1ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres (1ª CNSMu) terá como eixo principal a “Implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher”, subdividido nos seguintes eixos temáticos:

I – O papel do Estado no desenvolvimento socioeconômico e ambiental e seus reflexos na vida e na saúde da mulher;

II – O mundo do trabalho e suas consequências na vida e na saúde da mulher;

III – Vulnerabilidades e equidade na vida e na saúde da mulher; e

IV – Políticas públicas para a mulher e a participação social.

As Conferências de Saúde da Mulher acontecerão nas seguintes datas:

  • Etapas Municipais – de 20/02 a 03/06 de 2017.
  • Etapa Estadual – de 10 a 12 de julho de 2017.
  •  Etapa Nacional – de 1 a 4 de agosto de 2017.

A Secretaria Executiva do Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais (CESMG) já está recebendo as datas das conferências municipais. Os municípios devem encaminhar as informações sobre seus eventos para o e-mail conselhoestadualdesaudemg@gmail.com.

Na etapa estadual, que acontece de 10 a 12 de julho de 2017, haverá espaço reservado para exposição de trabalhos artesanais e apresentações culturais para as mulheres que vierem dos municípios. Os nomes e as atividades também devem ser repassadas com antecedência à Secretaria Executiva do CESMG.

 

DÚVIDAS FREQUENTES:

1) As conferências de Saúde da Mulher devem ser realizadas somente por mulheres?

As delegações devem ter, no mínimo, 70% de mulheres, para garantir que os temas sejam amplamente discutidos e atinjam seus objetivos.

2) Como este ano estão programadas mais duas outras conferências – de Vigilância em Saúde e as municipais (de construção dos Planos Municipais de Saúde) – essas podem ser realizadas todas ao mesmo tempo?

O CESMG recomenda que as conferências sejam realizadas em momentos diferentes, com públicos distintos, por terem objetivos diversos e específicos. Mas, por uma questão de otimização de recursos, os eventos podem ser realizados em dias subsequentes no mesmo espaço, reservando-se cada conferência de forma separada.

3) Quem irá financiar o deslocamento e demais despesas das delegadas para a etapa estadual?

As despesas com deslocamento das delegadas até Belo Horizonte, para participação na etapa estadual, será de responsabilidade dos municípios de origem. Ao chegar à capital, as despesas com hospedagem e alimentação serão assumidas pelo Conselho Estadual de Saúde de Belo Horizonte (CESMG) e pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG).

4) Posso mudar o tema da Conferência de Saúde da Mulher em meu município?

Os temas a serem discutidos na Conferência Municipal de Saúde da Mulher devem contemplar as demandas locais, é também a oportunidade para isso. Mas os eixos temáticos propostos devem ser incluídos na discussão, gerando propostas que sejam encaminhadas para a etapa estadual.

Em caso de qualquer dúvida, o Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais está disponível para orientar os Conselhos e as Comissões Organizadoras dos municípios, pelos contatos:

Site: http://ces.saude.mg.gov.br

E-mail: conselhoestadualdesaude@gmail.com

Telefones: (31) 3215-7208/ 7210/ 7209

3,225 total views, 1 views today

3 comentários em “Saúde das Mulheres será tema de Conferências municipais, estaduais e nacional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Accessibility