[Opinião] Sobre a Região Noroeste de Saúde

por Pedro Cunha*

Você sabia?

• Que a nossa região de saúde é a que apresenta o maior vazio assistencial, por ser muito extensa territorialmente e ser pouco habitada?

• Que historicamente é negligenciada pelas políticas públicas estaduais?

• Que enquanto o Plano de Ação Regional (PAR), de quase todas as outras regiões de saúde de Minas Gerais, foram aprovados e publicados pelo Ministério da Saúde (MS), (alguns em 2019, 2016, 2014, 2012 e até 2011) e o PAR da região Noroeste está em diligência na Secretaria de Estado de Minas Gerais (SES-MG), para ser encaminhado ao MS (documento do final de dezembro de 2019)?

• Que a nossa região tem dificuldades de pactuação de procedimentos de saúde da alta complexidade com outros municípios devido a ausência de um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) Regional?

• Que perdemos serviços de saúde como Hemodinâmica (tratamento da cardiologia), para São Sebastião do Paraíso (600 km de Patos de Minas), de Oncologia para Uberaba, (220 km de Patos de Minas) e juntamente com estes serviços, vários leitos de CTI e de clínica médica?

• Que o Hospital Regional Antônio Dias (HRAD) faz, há muitos anos, cirurgias oncológicas sem ser habilitado, por isso não recebe do MS pelos procedimentos?

• Que o HRAD não cumpre totalmente a sua vocação, por estar com pacientes ocupando leitos, mesmo a unidade não podendo oferecer o serviço necessário, no caso, pacientes cardíacos?

• Que somos, dentre todas as regiões de saúde de Minas Gerais, a que recebe menos recursos do Sistema Único de Saúde (SUS);

• Que conforme a Emenda Constitucional nº 29 (EC 29), os municípios deveriam aplicar no mínimo 15% das suas receitas ordinárias na saúde e que os municípios da nossa região aplicam em média 30%. (O cidadão está próximo dos prefeitos e de secretários municipais de saúde, enquanto o Estado e a União muito longe)?

• Que a nossa Rede de Urgência e Emergência (RUE) e o SAMU Regional, estavam previstos para serem implantados em 2014, mas fomos passados para trás e que pelo andar da carruagem devemos ser a última região de saúde de Minas Gerais a receber estes serviços?

• Que as instituições de ensino de ciências humanas, usam todos os equipamentos públicos de saúde, para formar, capacitar e qualificar seus alunos e contribuem muito pouco por usar estas estruturas?

Região Noroeste de Minas – Patos de Minas

Pois bem. Este ano você vai receber o pedido de apoio e voto para vereador e prefeito. Pergunte aos candidatos se eles têm ciência destes fatos, e se estão compromissados em ajudar a resolver esta situação. Se tiver oportunidade, faça sua parte, relatando e cobrando de algum deputado ou senador, soluções para esta situação.

Não deixe de perguntar também:

• O que fará em favor do HRAD que está no planejamento do Governo Estadual para que sua gestão seja repassada à uma Organização Social (OS)?

• Qual o compromisso deles com a construção e efetivação de um Hospital Municipal em Patos de Minas?

• Qual o compromisso com a efetivação da Santa Casa de Misericórdia de Patos de Minas?

• Quais ações implementará para não deixar o Hospital São Lucas fechar?

Precisamos de todos. Nossa defasagem é de mais de 300 leitos do SUS. Não espere precisar de um procedimento hospitalar para você ou para um ente querido, para depois correr atrás. Saúde não é gratuita, pagamos muitos impostos e merecemos e precisamos ser bem atendidos.

Conselheiro Pedro Cunha durante fala em plenária do CES-MG

*Pedro Israel da Cunha é Conselheiro Estadual de Saúde de Minas Gerais, no segmento de Usuário pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Atualmente é o 3º secretário da Mesa Diretora do CES-MG e também Conselheiro Municipal de Saúde em Patos de Minas (Região Noroeste)

** Esse texto é do autor e não expressa a opinião de todas as membras e membros do CES-MG

109 total views, 2 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Accessibility