Dia Internacional de Enfrentamento à LGBTfobia

O dia 17 de maio é o dia que marca mundialmente o enfrentamento à lesbofobia, homofobia, bifobia e transfobia (LGBTfobia). A data faz parte da luta que culminou na retirada, em 1990, do termo “homossexualismo” do Código Internacional de Doenças (CID) pela Organização Mundial da Saúde, sendo substituído por “homossexualidade”.

De acordo com a conselheira estadual de Saúde Fernanda Coelho, representante de usuárias e usuários pelo Coletivo de Mulheres Bissexuais e Lésbicas Trans e Cis (Coletivo BIL), em um passado recente pessoas LGBT foram consideradas doentes, e embora tenhamos avançado mais recentemente, sobretudo pela garantia de direitos constitucionalmente previstos junto ao Judiciário, ainda vivemos em uma sociedade que discrimina e violenta em razão da orientação sexual e identidade de gênero (LGBTfobia), expondo essas pessoas a diversas vulnerabilidades sociais (violência social, institucional, intrafamiliar, expulsão da casa de mães e pais, subempregos, prostituição – o que é o caso de 90% das travestis e transexuais etc.), o que afeta a saúde, passando pelo fato de acessar menos os serviços de Saúde em razão da LGBTfobia existente nos atendimentos, até o ponto em que impacta no maior adoecimento das pessoas LGBT tanto mental, quanto físico.

Em seu ápice a discriminação acaba reduzindo a expectativa de vida de todo um segmento populacional a 35 anos de idade, como é o caso de travestis e mulheres transexuais, segundo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). De modo que em dias como hoje é preciso refletir sobre nosso passado recente e pensar o que queremos enquanto sociedade, incluindo todas as pessoas, tanto LGBT quanto heteras cis na luta por uma sociedade antiLGBTfóbica.

No âmbito estadual, tanto Fernanda quanto a também conselheira de Saúde, Luna Oliveira (Coletivo BIL), participam do Comitê Técnico de Saúde Integral da População LGBT. Na última reunião, realizada no dia 28 de abril, foram abordadas questões que buscam dialogar sobre soluções para a melhoria na saúde e qualidade de vida da população LGBT. Leia a matéria aqui .

109 total views, 1 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Accessibility